31 outubro 2015

Resenha da leitora Susana Silva

Entrei no Facebook agora a noite e tive uma grata surpresa, a leitora Susana Silva, fez uma resenha linda de Amor Infinito.
Susana foi minha beta durante o processo de conclusão do livro e ver suas palavras emocionadas depois do livro editado, só aumentam minha certeza de que estou no caminho certo.
Confira abaixo a resenha, que será postada na íntegra, pois Susana não tem blog e a resenha foi postada em seu Facebook pessoal.


Autor : JM Alvarez
Livro : Amor Infinito
(Fui uma das leitoras betas do livro, e, quando li o livro físico até fiquei admirada, o autor colocou-me nos agradecimentos, obrigada...)
É uma história de amor passada em várias épocas uma das quais no ano de 2327.
Adorei a descrição da personagem Yara no inicio do primeiro capitulo, uma bióloga e a de Felipe, que era expert em TI, até me apeteceu entrar no livro só para o conhecer (Felipe é uma das minhas personagens favoritas, lamento que tenha aparecido pouco, é um rapaz cheio de ideias inovadoras, como demonstrou ao longo dos primeiros capítulos. Espero que o autor escreva um livro acerca da vida dele e que eu seja BETA kkkkk).
Não tem problemas em descrever cenas de sexo com descrições deliciosas : "Nossa, esqueci que neste ambiente sem gravidade não podemos fazer movimentos bruscos." (Uma nota para o autor, sou pela fidelidade, como o Felipe).
Yara e Felipe estão reclusos faz meses numa estação no espaço. Eles descobrem um pingente misterioso que Felipe observa melhor, chegando à conclusão que é um pen drive "- Posso ficar com ele?". Felipe cria um equipamento para poderem aceder aos dados daquela pen, gravada por um tal de Germano. Não vou contar mais para não dar spoiler, mas a maneira como esta busca pelos dados da pen foi introduzida por JM Alvarez foi bem original. Durante a narrativa, dá-nos a conhecer Sharon, que tem uma voz sensual, mas eu não vou dizer quem é para não perder a graça.
O autor é malicioso e acho bem "... tateando bem cada detalhe e agradeceu ao destino, pois seu tamanho era bem maior do que imaginara.".
Simpatizei muito com um personagem que o autor nos apresentou no capitulo 2, com mais ênfase no 3.
Nota-se pelas descrições das cenas de amor que o autor é sensível e que ama ou já amou profundamente, descreve muito bem os sentimentos, os pensamentos.
No ano de 2060, Germano conheceu uma pessoa especial, Bárbara (com a misteriosa Bárbara, sentia algo diferente do normal), mas amava sua namorada, Elisabeth (gostei da sua descrição feita por etapas), tinha sido amor à primeira vista "Só de ouvir aquela voz, me apaixonara por sua dona..." (gostei do seu primeiro encontro com ela, tem humor, coisa que eu valorizo muito).
Elisabeth teve a sua quota parte de infortúnios, através da figura materna que ela teve, o autor mostra ao leitor os sacrifícios de que uma mãe é capaz de fazer para educar seus filhos.
Gostei muito do capitulo 6 e da situação caricata entre Germano e Isaura. Um dos meus capítulos favoritos foi o 8, só por causa da D. Isaura.
O capitulo 10 foi o que menos gostei, ainda bem que na página 74 e 77 apareceram algumas cenas de humor, estava a ficar monótono, senti falta de algumas interrupções para quebrar a monotonia, estava a ser muito longo. Ainda bem que o autor resolveu "falar" num livro que eu adorei "Entre o céu e o inferno" de Simone Pesci. O final do capitulo melhorou, continuando no capitulo 12 (deu-me vontade de ir ajudar a personagem que estava em apuros, um dos meus favoritos).
Durante a narrativa, o autor mostra a diferença entre o antigo e o moderno, saltando para o passado e para o presente. Salta muito entre os anos 2327 e 2060.
O personagem mais cativante do livro é Isaura, mãe de Germano. Adorei-a. "E ela ainda se acha uma mulher jovem e apetitosa, como ela mesma me diz."
Nas páginas 165 e 166, o autor menciona um poema muito bonito de uma portuguesa como eu, Fátima Porto, "Mistério".
Da página 173 à 179, a principio pensei que era um sonho que Germano estava a ter, depois achei que era real, e fui mudando de ideias no decorrer da narrativa. Só no capitulo 23 é que o autor nos desvenda se aquilo aconteceu ou não (pelo menos, eu fiquei na duvida até ai).
No inicio do capitulo 25, Yara pensou o mesmo que eu.
Na página 213 acontece uma coisa extraordinária, não estava à espera. Gostei bem desta parte da história (ano de 1870), a maneira como foi introduzida pelo autor foi bem interessante e as descrições muito boas "... ela permaneceu por longos segundos com os olhos fechados, como se saboreasse cada nova sensação, ao repassar pelo pensamento cada novo estímulo sentido..."
Da página 288 à 290 vieram-me lágrimas aos olhos, têm de ler para saber o porquê.
Alguns trechos do livro:
1 - "Depois olhou para Felipe, deu-lhe uma piscadela de cumplicidade, que foi quase imperceptível para Yara, de tão vidrada que estava pelo que via à sua frente."
2 - "Só não sabia que você já tinha provado todos os outros para ter certeza de que sou o mais gostoso do mundo..."
3 - "Eu não sou passageira, mas estou sempre no ponto."
4 - "Parecia loucura, mas aquelas duas mulheres estavam habitando meu coração e pensamentos o tempo todo."




Nenhum comentário:

Postar um comentário